Angiografia

Aba 1

É a visualização por radiografia da anatomia dos vasos sanguíneos, arteriais ou venosos depois da introdução intravascular de meio de contraste radiopaco.

Descrição
O procedimento é utilizado para ajudar a diagnosticar doenças vasculares periféricas, como oclusões arteriais crônicas ou agudas, placas ateroescleróticas calcificadas, acidente vascular cerebral (AVC), estenose da artéria renal, aneurismas ou fator causativo da hipertensão, embolia pulmonar, doenças congênitas dos vasos sanguineos. O contraste pode ser injetado numa artéria ou veia introduzida num catéter inserido em uma artéria periférica e empurrada através do vaso até ser colocada na área desejada, isto é, na origem das artérias. Depois do procedimento, o paciente é monitorado para detectar hemorragias e lhe é recomendado que fique deitado por 4 a 6 horas

Procedimento
O contraste é injetado no vaso que vai ser examinado por um catéter fino na artéria femoral, braquial ou carótidas. O local é anestesiado e logo uma agulha é inserida. Um cabo longo e fino é posto através da agulha. A agulha é retirada e o catéter é colocado, então, sobre o cabo no vaso sanguíneo. A ponta do catéter é guiada até o vaso a ser examinado e o contraste é injetado.

Riscos
Mesmo que os riscos tenham diminuído devido ao uso do angiograma estar se tornando cada vez mais comum, há alguns riscos. O mais sério é um ataque cardíaco ou um derrame, que podem ocorrer se o catéter tirar algum coágulo de sangue ou depósito de colesterol da artéria e estes viajarem para o coração, pulmões ou cérebro. Outras complicações incluem danos às paredes do coração ou vasos sangüineos (raramente), alergia ao contraste e inflamação, hemorragia, falso-aneurisma e infecção do local da incisão.